Elevador versus Sousa Martins

R.Manuel Arriaga

Elevador para os automobilistas versus o médico Sousa Martins, que o povo quer elevar a santo.

Vista 175 vez | 0 comentário

Maio maduro Maio quem te pintou quem te quebrou o encanto nunca te amou raiava o sol já no sul e uma falua vinha lá de Istambul sempre depois da sesta chamando as flores era o dia da festa Maio de amores era o dia de cantar e uma falua andava ao longe a varar Maio com meu amigo quem dera já sempre no mês […] José Afonso

Vista 269 vez | 0 comentário

Painel (B.Camões)

Biblioteca Camões

Quem vê, Senhora, claro e manifesto Quem vê, Senhora, claro e manifesto O lindo ser de vossos olhos belos, Se não perder de vista só em vê-los, Já não paga o que deve a vosso gesto. Este me parecia preço honesto; Mas eu, por de vantagem merecê-los, Dei mais a vida e alma por querê-los, Donde já não me fica mais de resto. Assim que a vida e alma e esperança, E tudo quanto tenho, tudo é vosso, E o proveito disso eu só o levo. Porque é tamanha bem

Vista 233 vez | 0 comentário

Amor é fogo que arde sem se ver Amor é fogo que arde sem se ver; É ferida que dói e não se sente; É um contentamento descontente; É dor que desatina sem doer; É um não querer mais que bem querer; É solitário andar por entre a gente; É nunca contentar-se de contente; É cuidar que se ganha em se perder; É querer estar preso por vontade; É servir a quem vence, o vencedor; É ter com quem nos mata lealdade. Mas como causar pode seu favor N

Vista 367 vez | 0 comentário

Pessoas e frutas

Abarracamento de Peniche

Enquanto se espera de cliente,dá-se troco ...havia música no ar...

Vista 1,318 vez | 0 comentário

Com o Terramoto de 1755 «desabou sobre o Rato uma mu1tidão de foragidos» (Gustavo Matos Sequeira, Depois do Terramoto, vol. III, p. 383). Rapidamente se formou um enorme acampamento, com tendas e barracas improvisadas que abrigavam milhares de pessoas. De um dia para o outro, surgiu todo o género de comercio: mercados de hortaliças, açougues, capelistas, ourives e muitos outros negociantes. Algumas das barracas eram luxuosas, como a do Marques do Louriçal que custara uns tri

Vista 457 vez | 0 comentário

Botequim...

Villa Bertha

Natália Correia fundou o bar Botequim em 1971, com Isabel Meireles, Júlia Marenha e Helena Roseta. Era ali que, durante as décadas de 70 e 80, se reunia grande parte da intelectualidade portuguesa. "AUTO-RETRATO Espáduas brancas palpitantes: asas no exílio dum corpo. Os braços calhas cintilantes para o comboio da alma. E os olhos emigrantes no navio da pálpebra encalhado em renúncia ou cobardia. Por vezes fêmea. Por vezes monja. Conforme a noite. Conforme o dia. Molu

Vista 331 vez | 0 comentário

"Construído na primeira década do século XX, entre 1902 e 1908, este singular conjunto de edificios destinado a habitação operária, é considerado um dos mais completos e interessantes que subsiste em Lisboa no seu género e época... Projectado pelo arquitecto e industrial Joaquim Francisco Tojal...A Vila Berta (baptizada com o nome da filha de Tojal)"

Vista 464 vez | 0 comentário

Janela operária

Angelina Vidal

Janela a lembrar as fábricas, dos primórdios do século XX.

Vista 254 vez | 0 comentário

Mulher à frente do seu tempo seria Angelina Vidal, nascida em meados do século XIX, filha do maestro Joaquim Casimiro, que começaria a colaborar nos jornais sob o pseudónimo de uma republicana vizeense. Embora fosse uma mulher da burguesia, cedo se começou a interessar pelas classes mais desfavorecidas, perseguindo assim o seu ideal de viver numa sociedade mais justa e liberal. Foi a partir das comemorações do tricentenário de Camões em 1880 e do Marquês de Pombal e

Vista 1,674 vez | 0 comentário

Villa do Agapito Serra Fernandes

Relógio parado no tempo

Bairro de Operários.

Vista 1,280 vez | 0 comentário

No príncipio do século XX, os trabalhadores da panificação do galego Agapito Serra Fernandes, tinham de estar prontos a labutar a esta hora no trabalho.

Vista 243 vez | 0 comentário